10 erros de gestão de custos que sua empresa não pode cometer

In Empreendedorismo, Gestão by Boleto FácilLeave a Comment

Fazer a empresa crescer e se destacar é o sonho –  e objetivo –  de todo mundo que começa a trabalhar por conta própria. Mas, além dos principais motivos que podem quebrar um empreendimento logo nos primeiros anos, existe uma etapa do planejamento e rotina da empresa que não pode ser negligenciada: a gestão de custos.

O que é a Gestão de Custos?

Ao começar o seu negócio, é necessário ouvir e pesquisar muito sobre logística, gestão de pessoas e, é claro, ter uma boa noção de controle e equilíbrio de despesas. Esses últimos itens integram a gestão de custos. A gestão de custos funciona como um agente facilitador para a empresa. Ela pode pagar as contas, ofertar corretamente seus serviços e lucrar.

Deixar os custos de lado pode trazer problemas para o fluxo de caixa e saúde financeira da empresa. É por isso que, nesse post, vamos mostrar 10 erros de gestão de custos e como você pode evitar que eles aconteçam na sua empresa. Olha só:

Ignorar o custo dos produtos

É fundamental saber que o preço do seu produto varia de acordo com o valor que foi gasto na produção ou na compra com fornecedores. Deixar de lado o preço de cada item é muito ruim. Principalmente, porque significa que, ao entregar o produto ao cliente, você pode acabar não cobrando o necessário. E aí, não sobra dinheiro para cobrir as despesas iniciais e nem lucrar com a venda.

Não considerar custos fixos

Espaço de trabalho, água, energia e salário dos funcionários são alguns exemplos de despesas fixas. Sem o pagamento desses recursos, você corre o risco de ter algum serviço cancelado e ficar sem a estrutura básica para trabalhar. Lembre-se de colocar estes valores na hora de cobrar pelo seu produto ou serviço.

Deixar as finanças pessoais e profissionais juntas

Seja na conta do banco ou na planilha de custos, deixar os gastos e lucros pessoais misturados aos valores da empresa, é uma atitude bem negativa. Isso dificulta o controle do que está entrando ou saindo da conta. Além disso, desorganiza o montante real da empresa e pode acabar resultando em falta de dinheiro ou confusões na hora de pagar as contas.

Pensar que o dinheiro a receber já é seu

Previsões e projeções são importantes para o desempenho da empresa e saber como as contas serão pagas no futuro. Você não deve agendar pagamentos, fazer compras ou investimentos sem que i dinheiro esteja realmente no seu caixa. Lembre-se que o dinheiro de um fornecedor ou cliente é uma receita prevista –  ou seja, poderá sofrer atrasos ou até inadimplência. Por isso, só use o dinheiro que estiver nas mãos da empresa.

Não fazer um controle rígido do seu estoque

Você sabe que seu estoque não é infinito. Por isso, lembre-se de constantemente, avalia-lo para identificar a necessidade de novas compras ou substituições. Ignorar os produtos a adquirir no processo de gestão é o mesmo que ignorar a maior parte do investimento da empresa. E isso acaba afetando as análises e balanços. Com um bom controle do estoque, você evita compras além da sua capacidade de armazenamento. Além de gastos não planejados e consegue articular melhor as entregas para o seu cliente.

Não organizar os registros

Em pequenas e médias empresas, o fundador, sócios e outros gestores costumam realizar mais de uma função. Isso não é um problema, desde que seja dada a devida atenção a todos os departamentos. E claro, o registro (ou relatório) de cada área fique extremamente atualizado. Registros organizados –  seja de recursos humanos ou comunicação –  influenciam as despesas e valores. Isso mantém a segurança do caixa, a identificação de problemas e soluções mais rápidas.

Ser irresponsável quanto ao fluxo de caixa

O fluxo de caixa permite tomar decisões, pensar em estratégias para aplicar o capital, manter o estoque em dia e equilibrar as contas. É preciso fazer o controle de tudo que entra e sai da empresa. O ideal é que este controle seja feito diariamente, para não deixar os problemas financeiros aumentarem com o tempo.

Esquecer o plano financeiro

É com um bom plano financeiro, presente em seu Plano de Negócios, que você consegue comparar as atividades, finanças e valores realizados pela empresa com os seus objetivos com o empreendimento. Deixar o planejamento em segundo plano significa colocar a empresa para caminhar sem um direcionamento ou propostas definidas, que podem prejudicar o andamento dos negócios.

Não saber aplicar o lucro obtido

Para aumentar o lucro, é preciso reinvestir o valor obtido em um determinado período. Isso significa aumentar o estoque, comprar novos equipamentos ou investir em ações de comunicação. Colocar o dinheiro em outras frentes, que não sejam diretamente benéficas para a empresa, pode afetar a saúde financeira e o crescimento do seu negócio.

Não otimizar os processos

O planejamento e a otimização de processos são fundamentais para ajudar o gestor nas suas tarefas diárias. Procure por aplicativos e plataformas que ajudem a organizar as tarefas de cada colaborador, mantenham as finanças atualizadas e permitam acompanhar os pagamentos realizados pelos clientes. Na hora de emitir cobranças e acompanhar as contas recebidas pelo cliente, conte com as opções de Boleto Fácil e Direto que oferecemos por aqui. 😉