Como ser um freela de sucesso?

In Artigos by Luiza Marques0 Comments

Pense rápido: quantos amigos você tem que atuam como freelancer? Provavelmente vários, né?! A quantidade de pessoas que estão adotando essa forma de trabalho no Brasil cresce consideravelmente a cada ano. Uma pesquisa realizada pela Rock Content, We Do Logos e 99jobs, com 9.561 pessoas, chegou em alguns dados interessantes sobre o mercado freela no país.

De acordo com a pesquisa, a maior parte dos freelancer no Brasil são jovens entre 20 e 29 anos que possuem ensino superior. Em geral, eles têm menos de três anos de carreira e costuma trabalhar fazendo home office, além de apostar no boca a boca e nas indicações para conseguir clientes.

A maior parte dos entrevistados é da área de Humanas (73%), mas também tem gente no mercado que é de Exatas (16,7%) e Biológicas (2,4%). Apesar de terem pouco tempo de atuação, 55,1% dos entrevistados se consideram especialistas em suas áreas.

Em relação à remuneração, 32,9% dos entrevistados disseram que ganham entre R$100 e R$500 por mês. Já 26,2%, afirmam ganhar entre R$1000 e R$ 5000. A pesquisa demonstrou que, apesar de começar com um rendimento baixo, os freelancers costumam aumentar a sua renda mensal num período curto!

Você quer fazer como esses entrevistados e começar a oferecer os seus serviços como freela? Separamos algumas dicas que vão te ajudar nesse processo de se tornar um freelancer de sucesso. Confira!

Como arranjar o primeiro trabalho freelancer?

Tomou a decisão de que quer trabalhar como freela, mas não sabe muito bem como começar? A primeira dica é se cadastrar em sites nos quais você possa mostrar os seus trabalhos. Cada área de atuação conta com uma plataforma específica. Web designer freelancer, por exemplo, costuma usar sites como o Behance. Freelas de redação, podem criar uma página no Medium. O importante é ter um portfólio online de fácil acesso, que possa ser compartilhado com potenciais clientes.

Além de se cadastrar nessas plataformas, você também pode criar um site! Corra pro registros.br e garanta uma URL com o seu nome ou o nome da sua empresa. No seu site, coloque o portfólio dos trabalhos que já foram realizados e o tipo de serviço que você pretende prestar. Vale até por o depoimento de pessoas que já trabalharam contigo. Isso conta muito na hora de procurar um profissional qualificado (e você pode sair na frente ao pensar nesse detalhe).

Depois que tiver o seu site – que você pode criar um de graça no Wix – é hora de deixar claro que você faz esse tipo de trabalho. Coloque esses dados no seu LinkedIn, compartilhe no Facebook, fale com os seus amigos próximos e ex-colegas de trabalho. Vale dizer que indicação é tudo para quem trabalha como freelancer! Por isso, trate de sempre nutrir a sua rede de contatos.

Além de tomar essas atitudes, você também pode fazer uma busca ativa dos primeiros clientes. Caso o seu foco seja a produção de conteúdo para redes sociais, faça uma pesquisa das marcas da sua cidade que precisam melhorar seus canais e entre em contato oferecendo o seu serviço. Isso é legal para eles — que vão poder se apresentar melhor para o público — e para você, que terá material para o seu portfólio de freelancer.

Uma outra maneira de conseguir os primeiros freelas é por meio de sites específicos para esse tipo de trabalho.

Sites para encontrar trabalhos de freelancer

Com uma rápida busca na internet você vai encontrar uma série de sites para freelancers. Separamos a seguir alguns dos mais famosos. Olha só:

WeDoLogos: o seu foco de trabalho é a criação de logos, design de websites, criação de papelaria, folders e peças gráficas em geral? Então o WeDoLogos é um ótimo portal para começar a oferecer os seus serviços. Nele, você pode cadastrar o seu portfólio e também se candidatar para projetos em aberto no site.

Rock Content: se você é redator freelancer, um excelente portal para conseguir trabalhos temporários é Rock Content. Nele, você consegue jobs de diversos segmentos diferentes!

Trampos.co: o Trampos é um site bem amplo e oferece tanto oportunidades para freelancers quanto para quem deseja um emprego fixo. As atividades são, em geral, nas áreas de marketing, publicidade, design, produção de conteúdo e programação.

Prolancer: o Prolancer é um dos maiores portais do mundo para quem é freela. Nele, você consegue pegar trabalhos brasileiros e internacionais. As categorias do site vão desde criação de sites até trabalhos de engenharia e matemática!  

GetNinjas: esse é um portal para todos os tipos de prestadores de serviço. Programadores, designers, maquiadores, adestradores, decoradores, chaveiros, desentupidores… Todo mundo tem chance de garantir um emprego freelancer no GetNinjas.

Além de se cadastrar nesses portais de vagas de freelancers, lembre-se sempre de preparar o seu site pessoal para que as pessoas cheguem até você! Para isso, invista em um trabalho de SEO, mantenha o seu portal sempre atualizado e deixe claro como o potencial cliente pode entrar em contato com você. Por fim, se alguém entrar em contato querendo um orçamento, seja rápido nas respostas! É muito chato para o cliente precisar ficar insistindo para receber os valores. Lembre-se de que a pessoa mais interessada em fechar esse negócio é você! 😉

Como precificar o seu trabalho

A dúvida mais frequente de quem começa a trabalhar como freela é “como devo precificar o meu job?” Antes de chegar no valor ideal, você deve analisar dois itens que vamos expor a seguir.

Quanto cobrar por hora?

Cobrar por hora trabalhada é uma prática comum entre prestadores de serviço. A defesa de quem adota esse formato é que cada cliente pode demandar uma quantidade específica de empenho. Como alguns jobs são mais complexos do que outros, exigem mais tempo de dedicação.

Uma estratégia para precificar a sua hora é pensar quanto você deseja receber por mês. Com esse valor em mente, divida-o pela quantidade de dias da semana que deseja trabalhar. Por fim, divida esse número pelo número de horas que você deseja desempenhar as suas atividades. Você vai chegar no valor da sua hora.

Uma dica para facilitar esse processo é usar a calculadora freelancer, uma ferramenta desenvolvida pelo 99freelas. É só preencher os dados pedidos no site para chegar no valor da sua hora.

Existem algumas ferramentas que podem te ajudar a medir o tempo investido em cada projeto. Algumas que são queridinhas dos freelas são: Harvest, TopTracker e Due.

Quanto o mercado está cobrando?

Além de pensar em quanto você deseja receber por hora, é importante levar em consideração quanto os seus concorrentes cobram pelo mesmo serviço. Afinal de contas, o seu preço deve ser competitivo e está alinhado com o mercado. Você pode descobrir esse valor de diversas formas!

Algumas pessoas pedem para que amigos empresários (de outro segmento) entrem em contato com fornecedores que têm o mesmo perfil que o seu e solicitem orçamento. Uma outra maneira mais transparente é conversar diretamente com pessoas que trabalham na mesma área e explicar que você está no começo e que deseja ter uma noção de como precificar o seu trabalho. Para chegar nessas pessoas, procure grupos de Facebook focados em freelas, converse com colegas em espaços de coworking, entre em contatos com ex-colegas da faculdade, etc.

Como fazer cobranças? (e outras dicas para garantir que você não tenha problema com seus pagamentos)

A partir do momento que você já sabe quanto vale o seu serviço, é importante pensar em como realizar essas cobranças. A primeira dica que nós temos para te dar é: sempre tenha um contrato com os seus clientes. Independente se você vai cobrar por hora ou por projeto, deixe isso devidamente documentado e assinado.

Se você conversar com um grupo de freelancers, provavelmente vai acabar ouvindo pelo menos uma história de alguém que fez um trabalho, mas acabou não recebendo pelo job. O contrato é o primeiro passo para te deixar mais seguro.

A segunda dica é realizar as suas cobranças através de boletos bancários. Dessa maneira, cria-se um “senso de urgência” para a data de pagamento. Com a transferência bancária, o cliente pode acabar esquecendo ou procrastinando a transação, por exemplo! Além disso, o boleto bancário te traz uma segurança maior. Caso o cliente não realize o pagamento dentro do prazo estipulado, você pode protestar o boleto.

A nossa sugestão é que você use o Boleto Fácil para realizar essas cobranças! Além de deixar os seus recebimentos muito mais profissionais (você pode personalizar todos os boletos com a logo da sua empresa!), essa plataforma permite a emissão de faturas com CPF ou CNPJ. Com ela, você pode controlar todos os seus recebimentos, direto do app, enviar as faturas por e-mail, SMS ou WhatsApp. No Boleto Fácil, você também pode emitir cobranças recorrentes, automáticas, parceladas e carnês de bolso, que são ideais para aquele job que dura mais de um mês e que exige mais de um pagamento.

Pontos positivos e negativos de ser um profissional freelancer

Como em todas as áreas, ser freela tem o seu lado bom o ruim. Antes de você decidir ser um prestador de serviços, coloque na balança os pontos positivos e negativos dessa forma de trabalho.

Pontos positivos de ser freela

1- Flexibilidade

Um dos pontos altos de ser freelancer é, sem dúvida, a flexibilidade e a liberdade que essa forma de trabalho te traz. Com um bom computador e uma conexão de internet rápida, é possível desenvolver as atividades de qualquer lugar do mundo.

2- Escolher com o que deseja trabalhar

No início da carreira como freelancer, é um pouco mais difícil escolher com quais projetos trabalhar. Porém, depois que você já está mais estabilizado e tem uma demanda alta de trabalho, pode escolher com quais clientes deseja se envolver! Ao ser funcionário em uma empresa, fica muito mais difícil dizer não para um job, mesmo que você não goste do que está sendo feito.

3- Em geral, ganha-se mais do que como funcionário

Esse tópico pode variar de acordo com a área de atuação. Porém, em geral, o freelancer pode ganhar mais do que o funcionário. Para atingir esse objetivo, obviamente precisa se esforçar bastante, eventualmente virar algumas noites para terminar os jobs, pegar vários trabalhos ao mesmo tempo, etc.

Pontos negativos de trabalhar como freelancer

1- Instabilidade de jobs

A vida de freelancer não é muito estável. Num mês, pode-se ter muitos trabalhos, enquanto no outro, nenhum job. É importante entender que isso acontece e que não está relacionado ao seu desempenho profissional: é algo que faz parte do modelo de trabalho.

Uma maneira de não se abalar com isso é ser muito organizado financeiramente (para não passar dificuldade nos meses com pouco trabalho). Se o seu medo é ficar sem ter o que fazer, encare os períodos com menos jobs como uma oportunidade de desenvolver projetos pessoais, que podem se tornar empreendimentos futuros (blogs, apps, etc).

2- Solidão

Trabalhar como freelancer é solitário. Você vai fazer muito home office, trabalhar de cafés, etc. Uma maneira de driblar a solidão é se inscrever em espaços de coworking, que são, inclusive, excelentes para conseguir clientes. Participar de eventos do segmento ou grupos com outros freelancers também são soluções para evitar o isolamento.

3- Pagamento instável

Como funcionário, você sabe exatamente o dia e a quantidade de dinheiro que vão entrar na sua conta. Ao ser freelancer, isso não é tão organizado. Cada cliente paga num dia específico, alguns atrasam o pagamento, etc. Para driblar essa situação, procure adotar ferramentas que organizam os seus recebimentos, como o Boleto Fácil, por exemplo. Nele, você consegue emitir cobranças com juros (excelentes para incentivar que o pagamento seja realizado na data) e enviar lembretes automáticos conforme a data de pagamento se aproxime. Dessa maneira, a chance de receber o valor dos jobs na data certa aumenta consideravelmente!

Ferramentas que te ajudam a se organizar como freelancer

Está decidido que ser freelancer é o caminho que você deseja? Então confira a seguir algumas ferramentas que vão te ajudar a ser um freela de sucesso:

G Suite: o pacote do Google é ideal para quem é freelancer. Calendário, que permite que você envie facilmente convites de reuniões para os clientes. Drive, que te dá a flexibilidade de acessar os seus documentos de qualquer computador. Gmail, que é um dos melhores e-mails gratuitos do mercado. G Suite é um clássico!

Pipefy: o Pipefy é uma ferramenta de gerenciamento de tarefas que tem como base a metodologia Kanban. Nele, você já encontra alguns “templates” prontos, que englobam as principais atividades de quem trabalha com marketing de conteúdo, vendas, desenvolvimento de softwares, etc. Caso você esteja desenvolvendo um trabalho em grupo com freelancers de outras áreas, pode centralizar as tarefas de todo mundo no Pipefy e visualizar o andamento de cada uma das atividades com facilidade.

Boleto Fácil: o Boleto Fácil é uma excelente plataforma para a emissão de faturas, sejam elas em boleto ou em cartão de crédito! Com ela, você pode controlar todos os seus recebimentos, direto do app, enviar as faturas por e-mail, SMS ou WhatsApp. No Boleto Fácil, você também pode emitir cobranças recorrentes, automáticas, parceladas e carnês de bolso, que são ideais para aquele job que dura mais de um mês e que exige mais de um pagamento.

Wunderlist: esse é um gestor de tarefas fácil de usar. Com ele, você pode cadastrar o seu to-do (as famosas “listinhas do que fazer”), colocar lembretes, anexar arquivos, etc.

Gostou das dicas? Está se decidido que vai se tornar freelancer? Compartilhe os seus planos com a gente nos comentários!

Deixe um comentário