quanto cobrar por aula particular

Quanto cobrar por aulas particulares

In Profissional Autônomo by Camila Hezel0 Comments

Quer aprender como calcular o quanto você deve cobrar pelas suas aulas particulares? Fique atento aos fatores que influenciam nesse preço e descubra como se posicionar no mercado!

O que é preciso saber na hora de cobrar por aulas particulares? Seja como renda extra ou negócio, se você não tiver um bom posicionamento no mercado, a escalada é mais longa.

Não existe uma tabela fixa de quanto se deve cobrar. Os preços de aulas particulares podem ir de R$ 30 a R$ 200 por hora. Esses valores são controlados pelo mercado em que suas aulas estão inseridas e alguns outros fatores, que vamos especificar em seguida.

Fatores influenciam no preço das suas aulas particulares.

Localização (cidade e bairro):

Cada cidade tem sua realidade em relação ao custo de vida, concorrência e facilidade de acesso a serviços.

Leve em consideração a realidade do seu público e opções concorrentes na mesma localidade. Cidades grandes costumam ter preços mais altos que as pequenas.

Locomoção:

Muitas pessoas que cobram por hora esquecem de contabilizar o tempo que levam para se deslocar e o valor gasto com transporte: gasolina, passagem de ônibus ou Uber.

Contabilize quanto gasta com ida e volta, caso sua aula seja na residência do seu aluno, e se ainda tem adicional de estacionamento.

Você pode colocar um limite de distância de até onde vale a pena ir. Se for uma distância que vá te tomar muito tempo, mas ainda sim a pessoa quer te contratar, vale negociar um valor a mais para o transporte.

Quando o aluno se desloca para seu escritório, estúdio ou coworking, o valor a ser contabilizado além do deslocamento diário, é o aluguel do seu espaço – Que deve entrar nos seus custos fixos mensais.

Concorrentes:

Para ser competitivo no mercado, esteja atento ao preço dos seus concorrentes. Mas isso não quer dizer que precisa ser uma competição por preço. A pesquisa de concorrentes serve para saber se posicionar no mercado.

Competir por preço é uma estratégia frágil, principalmente na área de educação, em que as pessoas estão mais atentas à qualidade dos resultados.

Se algum potencial aluno te questionar de porque você é mais caro ou mais barato que fulano de tal, saiba mostrar para a pessoa seu posicionamento, se é mais caro porque você oferece mais valor ou mais barato porque ainda está construindo sua rede de alunos, mas tem toda a qualificação necessária.

Diferencial e autoridade:

Aqui entra tanto o diferencial de qualificação prática e experiência que você tem para dar aquela aula, como diplomas, certificados etc… Tem algo que faz sua aula ser única e que o aluno não irá conseguir similar com outro professor? Esse é o melhor jeito de se diferenciar da concorrência.

Esteja sempre atualizado das novidades da sua área para oferecer o melhor para seus alunos.

A área de conhecimento também interfere no preço, aulas de inglês, por exemplo, têm bastante competitividade, pois é uma matéria muito procurada. Seja criativo para se diferenciar e conseguir cobrar mais.

Custos com materiais:

Vai fazer as cópias do material ou será tudo online? Tem uma plataforma paga que serve de apoio online para suas aulas?

Uma opção para desenvolver a metodologia das suas aulas é seguir algum livro didático já publicado, ou desenvolver sua própria organização de aulas e exercícios, o que agrega mais valor.

Coordenação da agenda de horários para minimizar custos.

Como o professor particular normalmente começa trabalhando sozinho, a produtividade fica totalmente atrelada a redução de custos.

O Google Calendar ou mesmo o Trello são duas ferramentas ótimas para organizar os horários dos seus alunos.

Tente colocar alunos de uma região em horários próximos para salvar tempo de trânsito e gasto com combustível.

Aulas em grupo: quanto reduzir?

Aulas personalizadas em grupo são vantajosas para o professor e para os alunos, pois reduzem os custos de deslocamento, aumentam seu faturamento por hora e reduzem o valor para o aluno. Sem contar a troca de conhecimento entre uma turma pequena que agrega bastante ao aprendizado.

Uma opção para esses descontos é por porcentagem progressiva: dois alunos, desconto de 15% por aluno, três alunos, 20% de desconto, e assim vai.

Cobrir custos pessoais, custos do negócio.

Ganhar o dinheiro e só depois ver com o que vai gastar pode fazer suas finanças ficarem um pouco perdidas (não faça isso com elas, tadinhas!), além disso, ter metas também ajuda o seu cérebro a se organizar melhor para atingir objetivos.

Calcule quanto você precisa ganhar para cobrir seus gastos pessoais, custos do fixos do negócio (tudo aquilo que precisa pagar para manter seu funcionamento mensal, independente do número de alunos) e custos variáveis do negócio (que estão ligados diretamente ao número de alunos que você tem).

Lembre-se de definir metas financeiras além do necessário para sobreviver (porque todo mundo quer curtir a vida né?).

como calcular quanto cobrar por aula particular

Fique atento ao contrato para aulas particulares.

Sempre, sempre, sempre faça um contrato de prestação de serviços. Isso garante a tranquilidade de que todos os direitos e deveres das partes estão claros e bem definidos.

É comum que aconteçam cancelamentos ou remarcação de aulas. Devido a flexibilidade que as aulas particulares oferecem, as pessoas acabam ajustando com seus horários e compromissos. Já tenha tudo isso no seu contrato para que seus alunos saibam como proceder.

Itens essenciais para incluir em um contrato de prestação de serviço de aulas particulares:

  • Valor pelo pacote de aulas, horas extras e materiais.
  • Se a cobrança será mensal e tem data definida, multa para atrasos ou benefício de desconto para pagamento antecipado.
  • Política de cancelamento de aulas: se você aceitará cancelamento com no mínimo tantas horas de antecedência, se cancelamentos após essas horas serão contabilizados como aulas dadas, qual o prazo para remarcar uma aula cancelada.

Como se profissionalizar como professor particular?

Existem duas opções para atuar como professor particular, uma é atuar como autônomo sem CNPJ, tirando notas através de um RPA (Recibo de pagamento autônomo). Saiba mais como funciona nesse outro post: Tudo sobre RPA .

Outra opção é se enquadrar no MEI como professor autônomo independente, obter esse CNPJ costuma ser mais vantajoso pois te dá acesso a alguns direitos trabalhistas como a aposentadoria.

Leia também: Como abrir uma empresa MEI

Como cobrar pelas aulas particulares?

Não é legal ter que ficar cobrando o pagamento todo final de aula ou mês. Uma solução para facilitar seu controle de recebimento de cobranças, é utilizar um intermediador de pagamentos, como a JUNO.

Como funciona?

Você emite cobranças por boleto ou cartão de crédito de forma rápida e fácil. Além de conseguir administrar seus clientes e pagamentos através da plataforma da JUNO. Seu cadastro pode ser feito com CPF ou CNPJ!

Os seus alunos receberão as cobranças por email ou WhatsApp e também lembretes para quando a fatura estiver perto de vencer. Depois que eles efetuam o pagamento, o dinheiro cai na sua conta online da JUNO e seu saldo fica disponível para transferência para sua conta bancária ou pode ser usado para pagar contas.

Emita cobranças sem burocracia e com taxas menores que as dos bancos, vem conhecer mais o que a JUNO pode oferecer para MEIs e Autônomos! 😉

 

Deixe um comentário