Você sabe quanto seu coworking precisa faturar?

In Empreendedorismo, Gestão by boleto0 Comments

Quanto é preciso faturar para sobreviver com as contas no azul? 10 entre 10 empresários se deparam com esta pergunta, geralmente no início de um empreendimento.

Abrir um negócio para fechá-lo prematuramente não está nos planos de nenhum empreendedor. Dinheiro no caixa e previsibilidade do quanto irá entrar são essenciais para o desenvolvimento de qualquer empresa – e com coworkings não seria diferente.

Descubra agora o caminho de quanto o seu coworking precisa faturar para ficar sempre no azul!

O que é faturamento?

A confusão entre faturamento e recebimento é bem comum. O faturamento do seu coworking são as vendas feitas em um determinado período, e não o que você recebe de pagamentos dos planos contratados em meses anteriores. Geralmente este período é mensal ou anual, para fins de acompanhamento.

Existem dois “tipos” de faturamento, o líquido e o bruto. Você sabe qual é a diferença deles?   

Faturamento bruto  

O faturamento bruto é a soma dos valores dos planos contratados, independente se esse valor foi a vista ou parcelado, contando o valor integral de um período determinado.

Faturamento líquido

O valor do faturamento líquido será sempre menor que o bruto, pois ele é composto pelo valor do faturamento bruto menos os impostos pagos ao governo.

Portanto: faturamento líquido = faturamento bruto – imposto. Certo?   

Previsão de faturamento

Se você vai abrir um coworking (linkar com “como abrir um coworking? 5 tendências de segmentação”) é preciso fazer uma previsão do faturamento.

Essa projeção deve, inclusive, fazer parte do seu plano de negócio inicial. Esta previsão ajuda muito na sua organização e, principalmente, em ocasiões de apresentar seu negócio. Por exemplo, se você estiver atrás de um investidor, ele vai querer saber se o coworking é viável antes de colocar o dinheiro dele na sua ideia.

Mas como fazer esta previsão? Vem com a gente!

Como fazer a previsão de faturamento do seu negócio!

  1. Concorrentes

Se você é um coworking novo, como conseguir estimar tudo? A solução é olhar para os concorrentes. Investigue como tem sido a busca pelos coworkings deles, identifique se existem variações como sazonalidade de procura ou outros padrões de comportamento dos clientes – como relação de profissionais que mais procuram determinado tipo de coworking., por exemplo. Toda informação vai te ajudar a se planejar melhor.

Como essa análise vai basear muito do seu negócio, identifique os concorrentes certos para obter respostas certas – e não esqueça de ver vários, claro. Quanto mais estudo, melhor.

Entenda as características deles, mas em especial as semelhanças e diferenças com o seu coworking para poder avaliar corretamente os dados que obtiver.

Tome cuidado! Erros de avaliação aqui podem complicar a sua vida mais para frente.

  1. Conheça os coworkers

Conhecer os seus potenciais coworkers em itens como aspectos demográficos e comportamentais ajudará na sua projeção. Qual a faixa do pró-labore dos coworkers? Quais são os gostos deles?

Entender estes aspectos vai te dar toda a ideia do real tamanho do seu mercado. Isso será suficiente? Preciso buscar outras fontes de atração de clientes? Outros diferenciais para meu espaço?

Conhecer o seu mercado vai te ajudar com todas essas respostas.

Se quiser saber mais, falamos sobre quem são os coworkers aqui. (linkar para o texto “Quer atrair coworkers? Conheça quem eles são.”)

  1. Mudanças econômicas

Considere a conjuntura econômica, pois ela influenciará tanto na demanda como no preço que os clientes do coworking estarão dispostos a pagar pelo seu espaço. Infelizmente, o Brasil ainda tem uma economia muito frágil, então, fique de olho.

Taxa de inflação, taxa de juros, taxa de câmbio e PIB… Todo este bolo influencia sim no seu negócio. Esteja por dentro das mudanças, para não ser pego desprevenido.

Ponto de equilíbrio do faturamento do coworking

Isto é simples de compreender: o equilíbrio nada mais é do que a conta de quantos contratos o coworking precisa fechar para pagar todos os custos. Conhecido também por ponto de ruptura, é o momento onde o lucro é igual a zero.

Com o ponto de equilíbrio determinado, você consegue identificar a partir de que etapa o escritório compartilhado será economicamente sustentável e terá o tão desejado lucro. O cálculo é o seguinte:

Ponto de Equilíbrio Econômico = Custos + Despesas Fixas / Índice da Margem de Contribuição

Outro conceito importante nessa hora é conhecer o ponto máximo de otimização, que é a maior capacidade para receber e atender os coworkers com qualidade que o seu negócio tem.

Leve estes dois conceitos sempre com você, pois eles serão úteis em momentos de novos investimentos, por exemplo, com aumento de custos. Você saberá de onde tirar esse valor mais facilmente.

E, claro: sempre que houver mudanças, você precisará recalcular o ponto de equilíbrio.

Despesas vs. custos

As despesas são os valores gastos com manutenção da empresa, administrativo e estrutura. Já os custos são valores gastos para produzir bens e serviços de entrega final.

Para saber se algo é custo ou despesa se faça a seguinte pergunta: “Se eu eliminar x gasto a produção e/ou entrega final será afetada?” Se a resposta for sim, faz parte do custo. Caso contrário, despesa.  

Para um coworking esses, conceitos são mais delicados e serão mais elásticos, conforme seu rateio. A predominância estará nas despesas: aluguel, luz e internet, salários, reformas, marketing, café/bar. Porém essas despesas estão ligadas a entrega final que estão nos planos, tornando-se custo.

Outro detalhe é o que os caracteriza como variáveis e fixos. Custos e despesas variáveis têm relação direta com o volume de contratos feitos com o coworkers. Já as despesas e custos fixos não dependem do número de contratos fechados.

 

Margem de contribuição

A margem de contribuição é um indicador que precisa ser analisado regularmente. Ele é o dinheiro que sobra após você retirar os valores dos gastos variáveis. A vantagem desse parâmetro é que ele permite ver se o que sobra dos planos vendidos para os coworkers será capaz de cobrir os gastos fixos do espaço e ainda obter lucro.

É uma análise que ajuda a compreender porque um coworking que tem vários residentes não consegue gerar lucro para seus fundadores, por exemplo.

Lembrando que este lucro só é possível depois de ter atingido o ponto de equilíbrio.

 

Mantenha seu coworking funcionando!

Para manter o coworking em funcionamento é fundamental manter seu controles financeiros atualizados e organizados. Nele estarão as despesas fixas, pró-labore e todos os planos realizados. Avaliando todos estes dados, suas respostas serão muito mais confiáveis.

Na hora de avaliar, lembre de ter um período maior, de 6 meses, por exemplo, para visualizar o andamento das finanças, se o saldo final será positivo ou negativo.

Se ele for positivo é lucro; se for negativo, você já sabe: prejuízo.

A conta será a seguinte:

Faturamento – Custos variáveis = Margem de contribuição

Margem de contribuição – Custos fixos = Resultado

Facilite os recebimentos no seu coworking

Com essas contas em mãos, é hora de atrair clientes e fazer suas cobranças. E  o Boleto Fácil te ajuda a gerenciar seu coworking. Com as nossas soluções de pagamento, o seu negócio fica mais profissional e tem mais segurança na hora de efetuar cobranças e até pagamento de contas. Conheça o Boleto Fácil! 

 

 

 

Deixe um comentário